TV PENTECOSTES RETRANSMITINDO AO VIVO O ENF 2018
Tribunal vaticano conclui julgamento do Vatileaks 2
07/07/2016 17:30 em Novidades

Tribunal vaticano conclui julgamento do Vatileaks 2

Chega ao fim julgamento por divulgação ilícita de notícias e documentos reservados da Santa Sé, com a condenação de dois e absolvição dos jornalistas

Da Redação, com Agência Ecclesia

O Tribunal do Vaticano condenou a 18 meses de prisão o sacerdote espanhol Angelo Vallejo Balda, após o julgamento do processo de furto e divulgação de documentos reservados da Santa Sé, conhecido como ‘Vatileaks2’. A sentença foi anunciada nesta quinta-feira, 7.

Monsenhor Vallejo Balda foi secretário da Comissão relativa ao estudo e orientação sobre a organização das estruturas econômico-administrativas da Santa Sé, instituída pelo Papa Francisco em julho de 2013 e posteriormente dissolvida, após cumprir o seu mandato.

Francesca Immacolata Chaouqui, leiga ligada à mesma comissão, foi condenada a 10 meses de prisão, com pena suspensa; Nicola Maio, ex-colaborador de monsenhor Vallejo, foi absolvido das acusações.

Também foram absolvidos os dois jornalistas italianos, Emiliano Fittipaldi e Gianluigi Nuzzi, responsáveis pela publicação dos livros ‘Avareza’ e ‘Via Crucis’, respetivamente. Os juízes consideraram que não tinha jurisdição sobre eles, à luz da liberdade de imprensa.

Os livros em causa apresentam, no essencial, o mesmo material com polêmicas ligadas à propriedade dos bens da Santa Sé ou ao Óbolo de São Pedro, que recolhe donativos dos católicos de todo o mundo para o Papa, entre outros. A leitura da sentença foi transmitida ao vivo na sala de imprensa da Santa Sé.

Histórico do caso

O Tribunal do Estado da Cidade do Vaticano tinha começado a julgar há sete meses as cinco pessoas acusadas de “divulgação ilícita de notícias e documentos reservados” da Santa Sé.

Em 8 de novembro de 2015, o Papa reagiu publicamente às polêmicas sobre as atividades financeiras da Santa Sé, no centro dos livros e do material divulgado, e disse que a “reforma” em curso iria continuar.

As mudanças implementadas implicaram, entre outras medidas, auditorias externas às contas do Vaticano e a criação de uma Secretaria para a Economia na Santa Sé, para além da implementação de medidas de transparência financeira no Instituto para as Obras de Religião (IOR, conhecido popularmente como Banco do Vaticano).

Já em 2012, o Vaticano tinha julgado um caso de vazamento de documentos confidenciais, tendo na altura condenado o ex-mordomo de Bento XVI, Paolo Gabriele, a 3 anos de cadeia, pena reduzida para um ano e meio. O agora Papa emérito viria a conceder-lhe um indulto, semanas após a condenação.

fonte cancaonova.com

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!