TV PENTECOSTES RETRANSMITINDO AO VIVO O ENF 2018
Palavra do Bispo Dom Manoel João Francisco "Solenidade de Nossa Senhora Mãe de Deus"
29/12/2018 19:27 em Novidades

 

 

 

 

Dia 1º de janeiro é dia santo de guarda. É como se fosse domingo. Neste dia celebramos a solenidade de Nossa Senhora Mãe de Deus. Esta celebração é muito antiga, talvez a mais antiga das celebrações em honra de Nossa Senhora.

Ao afirmar que Nossa Senhora é Mãe de Deus, a Igreja procura explicar algumas verdades fundamentais do cristianismo negadas pelas heresias.

Nestório, Patriarca de Constantinopla, negava que Jesus era verdadeiro Deus. A isso se opôs tenazmente o Patriarca de Alexandria, São Cirilo. Para resolver a questão o Papa, São Celestino convocou um Concílio na cidade Éfeso, no ano 431. A decisão foi que Nossa Senhora deve ser venerada como Mãe de Deus, pois Jesus é, ao mesmo tempo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem. A partir desta data começou-se a celebrar a festa de Nossa Senhora Mãe de Deus.  Começou-se também a rezar a Ave-Maria assim como rezamos hoje, ou seja, foi acrescentada a segunda parte: "Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores,....".

         Além da solenidade de Nossa Senhora, Mãe de Deus, no dia primeiro 1º de janeiro, iniciamos o ano civil. Somos convidados a oferecer o novo ano a Deus que é o Senhor do tempo. A intenção é fazer da transitoriedade dos dias um caminho para a eternidade.

         A partir de 1967, por determinação do Papa São Paulo VI, no dia 1º de janeiro, os católicos celebram também o Dia Mundial da Paz. Naquela oportunidade o Papa lembrava que a Paz é um dever universal e perene. Neste dia somos convidados a rezar, refletir e buscar formas de construir a paz dentro de nós mesmos, em nossas famílias, na sociedade e no mundo inteiro.

A paz é um profundo anseio do ser humano de todos os tempos e de todos os lugares. No entanto, hoje, mais do que nunca, vivemos uma profunda carência de paz. A violência ronda nossas famílias e cidades. O terror ameaça cidadãos e cidadãs do mundo inteiro. As guerras, os conflitos armados, as "limpezas étnicas" continuam causando sofrimentos indescritíveis a milhões e milhões de vítimas, principalmente entre as crianças. Muitas delas, como lembrou o Papa São João Paulo II, correm o risco de chegar à idade adulta sem nunca terem feito a experiência da paz. Elas não são apenas vítimas das guerras. Muitas vezes, são constrangidas a se tornarem protagonistas. É o caso dos meninos soldados em alguns países da África, ou das crianças envolvidas em gangues do narcotráfico.         

Não esqueçamos, porém, que a paz só existe e persiste se estiver fundamentada na verdade, na justiça, no amor e na liberdade.

         Nosso mundo parece anestesiado em relação à verdade. Não se leva mais em conta o ensinamento bíblico que diz: "Seja o vosso "sim", sim, e o vosso "não", não" (Mt 5,37; Tg 5,12); "Abandonai a mentira e falai a verdade cada um a seu próximo" (Ef 4,25). O que vale sãos interesses pessoais ou de grupos. No entanto, a paz só será possível no dia em que da terra germinar a verdade (cf. Sl 85,12).

         "Justiça e paz se abraçarão" rezamos com o salmista (cf. Sl 85,11). A justiça, porém, não pode ser aquela "do dente por dente e do olho por olho". A justiça só é justa se estiver purificada pelo perdão. As retaliações e as vinganças não constroem a paz. Pelo contrário, levam a violências ainda mais cruéis e a guerras ainda mais desumanas. Neste sentido o Papa São João Paulo II, em sua mensagem para o Dia Mundial da Paz de 2002, proclamava com toda energia: "Não há paz sem justiça, mas também não é possível justiça sem perdão"

         O amor sedimenta o perdão. O amor que, segundo Jesus, deve ser dado até aos inimigos impede a vingança e constrói a paz

         Por último, a verdadeira paz só é possível em clima de liberdade. Deus ao criar a pessoa humana lhe deu a capacidade de discernir entre o bem e o mal. Nenhuma autoridade humana tem o direito de intervir na consciência de ninguém. Negar a uma pessoa a liberdade de consciência vai contra os seus direitos mais profundos. Vai contra o seu direito à paz.

Partilhando do clima festivo que envolve a todos nós neste início de ano e, em comunhão com os ensinamentos de nossa Igreja, quero desejar que 2019 seja para todos os irmãos e irmãs de nossa Diocese um ano cheio de paz.

fonte dioceseprocopense.org.br

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!